sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

Mercado de métricas em expansão exige profissionais qualificados


Há dois anos colocar no currículo ou nos perfis das redes sociais que era "analista de mídias sociais" era sinal de "status", mas a profissão foi banalizada pelo incontável número de oportunistas que só por ter um perfil nas redes sociais mais importantes se intitulavam como profissionais.

O mercado cresceu, as empresas perceberam a necessidade de ter bons profissionais, lógico que ainda existem vários pseudo-profissionais se vendendo como especialistas, e a necessidade de se destacar no grupo persistiu. Com necessidade de massagear o ego o novo modismo e se vender como profissional de métricas.

Um incontável número de profissionais, correção: oportunistas, se vendem como especialistas em métricas. O reflexo pode ser visto em anúncios que buscam profissionais híbridos, que façam, entendam de mídias sociais e por fora consigam entender as métricas que envolvam todo o processo.

Hoje, é possível encontrar esses fakes nos vários postos dentro de empresas e agências: do mais júnior, passando por especialistas até chegar aos gestores. Em todos os casos essas pessoas nunca chegaram nem perto de uma ferramenta de monitoramento, acreditam que sabem como ler dados do analytics só por ter acesso e não se sentem intimidados em falar do novo insights do Facebook baseado no senso comum.

Vida curta aos oportunistas
O cenário pode demonstrar que o mercado está destinado a mediocridade, felizmente, a mesma arrogância que levou esses oportunistas a um cargo de gerência é a mesma que derruba, com os constantes erros, com as ánalises duvidosas e relatórios onde somente os números positivos são apresentados, acaba por colocar eles para fora do mercado.

Grandes, médias e pequenas empresas cada vez mais exigem dados precisos, ao mesmo tempo em que buscam pessoas qualificadas. Mesmo que em um primeiro momento esses híbridos consigam entrar com os seus jargões ou frases de efeito, no dia-a-dia sua mediocridade os denúncia como fraudes.

Apesar de esse post começar com um tom negativo. O futuro para os profissionais de métricas está em franca expansão. Se traçarmos um paralelo com os profissionais do direito podemos afirmar que por mais que o profissional entenda de leis é necessário a especialização em uma área, mesmo se o sonho seja ir para o Supremo Tribunal Federal. O mesmo vale para o mundo virtual. Hoje o mercado busca profissionais capazes de gerenciar equipes específicas deixando apenas para cargos de diretoria a missão de comandar equipes múltiplas, pois sabem que o impacto financeiro não compensa arriscar com um "profissional" sem experiência.

Mercado de métricas em expansão exige profissionais qualificados


Há dois anos colocar no currículo ou nos perfis das redes sociais que era "analista de mídias sociais" era sinal de "status", mas a profissão foi banalizada pelo incontável número de oportunistas que só por ter um perfil nas redes sociais mais importantes se intitulavam como profissionais.

O mercado cresceu, as empresas perceberam a necessidade de ter bons profissionais, lógico que ainda existem vários pseudo-profissionais se vendendo como especialistas, e a necessidade de se destacar no grupo persistiu. Com necessidade de massagear o ego o novo modismo e se vender como profissional de métricas.

Um incontável número de profissionais, correção: oportunistas, se vendem como especialistas em métricas. O reflexo pode ser visto em anúncios que buscam profissionais híbridos, que façam, entendam de mídias sociais e por fora consigam entender as métricas que envolvam todo o processo.

Hoje, é possível encontrar esses fakes nos vários postos dentro de empresas e agências: do mais júnior, passando por especialistas até chegar aos gestores. Em todos os casos essas pessoas nunca chegaram nem perto de uma ferramenta de monitoramento, acreditam que sabem como ler dados do analytics só por ter acesso e não se sentem intimidados em falar do novo insights do Facebook baseado no senso comum.

Vida curta aos oportunistas
O cenário pode demonstrar que o mercado está destinado a mediocridade, felizmente, a mesma arrogância que levou esses oportunistas a um cargo de gerência é a mesma que derruba, com os constantes erros, com as ánalises duvidosas e relatórios onde somente os números positivos são apresentados, acaba por colocar eles para fora do mercado.

Grandes, médias e pequenas empresas cada vez mais exigem dados precisos, ao mesmo tempo em que buscam pessoas qualificadas. Mesmo que em um primeiro momento esses híbridos consigam entrar com os seus jargões ou frases de efeito, no dia-a-dia sua mediocridade os denúncia como fraudes.

Apesar de esse post começar com um tom negativo. O futuro para os profissionais de métricas está em franca expansão. Se traçarmos um paralelo com os profissionais do direito podemos afirmar que por mais que o profissional entenda de leis é necessário a especialização em uma área, mesmo se o sonho seja ir para o Supremo Tribunal Federal. O mesmo vale para o mundo virtual. Hoje o mercado busca profissionais capazes de gerenciar equipes específicas deixando apenas para cargos de diretoria a missão de comandar equipes múltiplas, pois sabem que o impacto financeiro não compensa arriscar com um "profissional" sem experiência.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

compartilhar

Posts relacionados