quinta-feira, 7 de janeiro de 2010

Google atualiza critérios para resultados de buscas

Estamos no meio da maior mudança dos mecanismos de busca desde 2003, quando o Google revolucionou o mercado ao incluir as citações como fator de rankeamento das páginas listadas nos resultados das pesquisas.

Nos últimos 60 dias, cerca de 70 novos atributos foram implementados no buscador mais popular do mundo (praticamente um monopólio no Brasil, com mais de 90% de participação de mercado), exigindo muito trabalho de todos nós que atuamos com otimização de sites e marketing de busca.

As novidades envolvem muito mais do que os tradicionais fatores de relevância baseados no conteúdo de um site, sua infraestrutura e os links que apontam para ele.

Novas variáveis estão entrando em cena, entre elas a usabilidade, a mobilidade, a presença na mídia social, e, cada vez mais, fatores off-site que vão muito além da tradicional construção de links.

Vejamos com a coisa funcionará a partir de agora e o que podemos fazer a respeito para que nossas páginas estejam bem posicionados nas buscas.

Mídia social
As redes sociais passam a ter mais importância nas buscas porque é através delas que milhões de pessoas estão comentando os sites que frequentam e indicando páginas na web (no Brasil, 28 milhões).

Ora, se o Google monta seus rankings baseando-se fortemente em citações, ele não poderá mais ignorar a conversação nas mídias sociais. Devido ao seu volume explosivo, a quantidade de links compartilhados diariamente nas redes é uma amostra bastante representativa da popularidade e relevância de páginas web.

Monitorar e participar das conversas na mídia social passa a ser um fator crítico de sucesso para seu marketing on-line, já que, segundo uma pesquisa recente, as marcas mais “sociais” tendem a ter o dobro das menções em relação às marcas que não estão presentes nas redes.

Usabilidade
O Google e outros mecanismos de pesquisa estão indo mais fundo ao calcular a relevância de um site para fins de ranking. Além de mensurar visualizações e cliques nas páginas de busca, o tráfego agora pode ser analisado com base em muitas outras variáveis: conversões (vendas, assinaturas, compartilhamento, etc.), taxas de rejeição, tempo de permanência no site, variedade do tráfego, revisitação, e reputação do site entre seus pares e seguidores on-line.

A usabilidade passa a ser prioridade no marketing de busca. O conteúdo e o design do seu site precisam ser estruturados de modo a capturar e reter a atenção dos visitantes, convertendo-os em usuários fiéis. Será preciso analisar com mais profundidade como os usuários navegam no site a fim de descobrir oportunidades de melhoria nessa área.

Engajamento
Estamos entrando na era das pesquisas personalizadas, na qual os resultados de uma busca podem variar de um internauta para outro conforme o engajamento dele com determinados web sites. Isso significa que quanto mais uma pessoa interagir com o seu site, mais ele aparecerá nas buscas feitas por ela. E este é mais um bom motivo para, a partir de agora, investir pesado em conteúdo e usabilidade.

O engajamento, no entanto, não para por aí. Ele envolve também padrões de navegação ao longo das páginas web, como veremos a seguir.

Fluxo de navegação
O Google está investindo na análise do fluxo de navegação dos internautas, categorizando cada página de acordo com os destinos visitados por eles antes e depois dela. A iniciativa pretende identificar os interesses particulares de cada usuário para fins de personalização dos resultados das buscas.

Qual a implicação disso para a otimização do seu site? Simples, você precisará estar bem conectado aos melhores sites em seu campo de atuação. Aqui o trabalho de construção de links e de relacionamentos continuará importantíssimo. Sem bons links de entrada em destinos populares e relevantes, o seu site perderá ainda mais visibilidade nas buscas.

E lembre-se, como escrevi no início desse artigo, a construção de links agora passa cada vez mais pela mídia social. Você precisará participar dela, ou perderá espaço.

Mobilidade
O futuro da internet é móvel. Cada vez mais pessoas acessam a rede dos seus celulares e smartphones. É muito provável que em 2015 a maioria de nós estejamos vivendo esta experiência descrita por Eric Smith, CEO do Google, ao comentar seus planos para o Google Phone:

Em 2015, eu terei o mundo em minhas mãos, uma notícia de cada vez. Eu folhearei meus jornais e revistas favoritos, as imagens tão nítidas quanto numa folha de papel, sem que seja preciso esperar pelo download de cada página. E tem mais, o aparelho sabe quem eu sou, do que eu gosto, e o que eu já li com atenção. Então, enquanto eu leio e comento as notícias, eu também recebo histórias selecionadas automaticamente de acordo com meus interesses.

Eu pulo de uma reportagem sobre saúde no The Wall Street Journal para uma nota sobre o Iraque, publicada pelo Al Gomhuria, do Egito, traduzida instantâneamente do árabe para o inglês. Toco meu dedo na pequena tela e digo ao computador abaixo dela que ele me deu uma boa sugestão…

Note que nessa visão do Google para o futuro, as páginas web chegam até você sem que você precise procurar por elas. O serviço será capaz de acompanhar suas preferências e necessidades durante todo tempo, indicando quais conteúdos podem lhe ser úteis a cada momento.

A fala de Eric Smith refere-se a notícias, mas imagine o que poderá ser feito no caso de outros produtos e serviços.

Por exemplo, você entra em uma loja de automóveis e seu celular sabe onde você está. Ele indica então sites onde você poderá encontrar mais informações sobre os carros da marca, inclusive opiniões das pessoas em suas redes sociais e matérias com testes comparativos.

Como se vê, mobilidade e buscas personalizadas andarão lado a lado, reforçando-se mutuamente.

Finalmente
O marketing de busca começou 2010 acelerando. Tendências que vinham se desenvolvendo gradualmente ganharam um grande impulso desde novembro último. Para se manter visível nas pesquisas, seu site precisará apressar o passo e acompanhar as novidades. Ser mais sociável, usável, hyperlinkado e móvel deve ser seu objetivo para este ano. Boa sorte! [Webinsider]

Com informações: Websinder

Google atualiza critérios para resultados de buscas

Estamos no meio da maior mudança dos mecanismos de busca desde 2003, quando o Google revolucionou o mercado ao incluir as citações como fator de rankeamento das páginas listadas nos resultados das pesquisas.

Nos últimos 60 dias, cerca de 70 novos atributos foram implementados no buscador mais popular do mundo (praticamente um monopólio no Brasil, com mais de 90% de participação de mercado), exigindo muito trabalho de todos nós que atuamos com otimização de sites e marketing de busca.

As novidades envolvem muito mais do que os tradicionais fatores de relevância baseados no conteúdo de um site, sua infraestrutura e os links que apontam para ele.

Novas variáveis estão entrando em cena, entre elas a usabilidade, a mobilidade, a presença na mídia social, e, cada vez mais, fatores off-site que vão muito além da tradicional construção de links.

Vejamos com a coisa funcionará a partir de agora e o que podemos fazer a respeito para que nossas páginas estejam bem posicionados nas buscas.

Mídia social
As redes sociais passam a ter mais importância nas buscas porque é através delas que milhões de pessoas estão comentando os sites que frequentam e indicando páginas na web (no Brasil, 28 milhões).

Ora, se o Google monta seus rankings baseando-se fortemente em citações, ele não poderá mais ignorar a conversação nas mídias sociais. Devido ao seu volume explosivo, a quantidade de links compartilhados diariamente nas redes é uma amostra bastante representativa da popularidade e relevância de páginas web.

Monitorar e participar das conversas na mídia social passa a ser um fator crítico de sucesso para seu marketing on-line, já que, segundo uma pesquisa recente, as marcas mais “sociais” tendem a ter o dobro das menções em relação às marcas que não estão presentes nas redes.

Usabilidade
O Google e outros mecanismos de pesquisa estão indo mais fundo ao calcular a relevância de um site para fins de ranking. Além de mensurar visualizações e cliques nas páginas de busca, o tráfego agora pode ser analisado com base em muitas outras variáveis: conversões (vendas, assinaturas, compartilhamento, etc.), taxas de rejeição, tempo de permanência no site, variedade do tráfego, revisitação, e reputação do site entre seus pares e seguidores on-line.

A usabilidade passa a ser prioridade no marketing de busca. O conteúdo e o design do seu site precisam ser estruturados de modo a capturar e reter a atenção dos visitantes, convertendo-os em usuários fiéis. Será preciso analisar com mais profundidade como os usuários navegam no site a fim de descobrir oportunidades de melhoria nessa área.

Engajamento
Estamos entrando na era das pesquisas personalizadas, na qual os resultados de uma busca podem variar de um internauta para outro conforme o engajamento dele com determinados web sites. Isso significa que quanto mais uma pessoa interagir com o seu site, mais ele aparecerá nas buscas feitas por ela. E este é mais um bom motivo para, a partir de agora, investir pesado em conteúdo e usabilidade.

O engajamento, no entanto, não para por aí. Ele envolve também padrões de navegação ao longo das páginas web, como veremos a seguir.

Fluxo de navegação
O Google está investindo na análise do fluxo de navegação dos internautas, categorizando cada página de acordo com os destinos visitados por eles antes e depois dela. A iniciativa pretende identificar os interesses particulares de cada usuário para fins de personalização dos resultados das buscas.

Qual a implicação disso para a otimização do seu site? Simples, você precisará estar bem conectado aos melhores sites em seu campo de atuação. Aqui o trabalho de construção de links e de relacionamentos continuará importantíssimo. Sem bons links de entrada em destinos populares e relevantes, o seu site perderá ainda mais visibilidade nas buscas.

E lembre-se, como escrevi no início desse artigo, a construção de links agora passa cada vez mais pela mídia social. Você precisará participar dela, ou perderá espaço.

Mobilidade
O futuro da internet é móvel. Cada vez mais pessoas acessam a rede dos seus celulares e smartphones. É muito provável que em 2015 a maioria de nós estejamos vivendo esta experiência descrita por Eric Smith, CEO do Google, ao comentar seus planos para o Google Phone:

Em 2015, eu terei o mundo em minhas mãos, uma notícia de cada vez. Eu folhearei meus jornais e revistas favoritos, as imagens tão nítidas quanto numa folha de papel, sem que seja preciso esperar pelo download de cada página. E tem mais, o aparelho sabe quem eu sou, do que eu gosto, e o que eu já li com atenção. Então, enquanto eu leio e comento as notícias, eu também recebo histórias selecionadas automaticamente de acordo com meus interesses.

Eu pulo de uma reportagem sobre saúde no The Wall Street Journal para uma nota sobre o Iraque, publicada pelo Al Gomhuria, do Egito, traduzida instantâneamente do árabe para o inglês. Toco meu dedo na pequena tela e digo ao computador abaixo dela que ele me deu uma boa sugestão…

Note que nessa visão do Google para o futuro, as páginas web chegam até você sem que você precise procurar por elas. O serviço será capaz de acompanhar suas preferências e necessidades durante todo tempo, indicando quais conteúdos podem lhe ser úteis a cada momento.

A fala de Eric Smith refere-se a notícias, mas imagine o que poderá ser feito no caso de outros produtos e serviços.

Por exemplo, você entra em uma loja de automóveis e seu celular sabe onde você está. Ele indica então sites onde você poderá encontrar mais informações sobre os carros da marca, inclusive opiniões das pessoas em suas redes sociais e matérias com testes comparativos.

Como se vê, mobilidade e buscas personalizadas andarão lado a lado, reforçando-se mutuamente.

Finalmente
O marketing de busca começou 2010 acelerando. Tendências que vinham se desenvolvendo gradualmente ganharam um grande impulso desde novembro último. Para se manter visível nas pesquisas, seu site precisará apressar o passo e acompanhar as novidades. Ser mais sociável, usável, hyperlinkado e móvel deve ser seu objetivo para este ano. Boa sorte! [Webinsider]

Com informações: Websinder

Um comentário:

compartilhar

Posts relacionados