segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Os sete passos para a felicidade nas redes sociais

Atualmente, muitas empresas acreditam que basta criar um perfil no Twitter e sair alardeando que faz ação nas redes sociais para conquistar novos clientes e fortalecer a marca.

Muitas agências nesse momento surgem como a salvação. Oferecem a salvação em formas de ações padronozinadas tratando as necessidades do cliente e atuando nas redes sociais como se estivessem fazendo um bolo.

Infelizmente, a realidade do dia-a-dia tem inúmeros exemplos de ações fracassadas. Porque no mundo real, longe dessa utopia que basta marcar território ou que todo mundo fala sobre todos os assuntos nas cinco regiões do país, o sonho de massa se transforma em pesadelo e os profissionais descobrem da pior maneira que é preciso mais que uma receita de bolo é precisa entender o novo consumidor/usuário.

Mas para quem deseja realmente trabalhar nessa área, escolhi sete pasos fundamentais que podem fazer a diferença entre trabalhar com redes sociais e fracassar nas redes sociais.

Os setes passos
1 - Cada ação, planejamento, monitoramento são únicos e o máximo que pode ser reaproveitado é a embalagem (estrutura do documento);

2 - O público que utiliza as redes sociais ainda não sabe todo o poder que as redes entregaram em suas mãos. Cabe as agências estimular esse uso e preparar as suas equipes para atuar nesse novo campo;

3 - Por mais incrível que possa parecer as redes sociais refletem toda a diversidade brasileira. Então, não espere encontrar perfis semelhantes em regiões/Estados diferentes;

4 - Não espere encontrar todas as repostas em relatórios de monitoramento. Lá vai estar apenas refletido a realidade de ações e perfis dos usuários;

5 - Saiba aceitar os resultados dos relatórios de ações e perfis quando se mostrarem negativos em uma ação ou nulo durante a prospecção de um cliente. Em ambos os casos contar para o cliente que a ação foi um fracasso ou que o assunto não ganhou penetração no segmento, mas pode ser trabalhado nesse sentido é o caminho;

6 - Nunca torture os números. Até hoje a história não conseguiu mostrar ninguém que tenha contado a verdade sob esses artifícios. Experimente ouvir o que eles tem a dizer. No fundo eles são como vizinhas rodriguianas que sabem tudo e só esperam a pessoa certa para contar;

7 - Apreenda a escutar o seu analista ou coordenador de métricas sociais por mais que ele conte e mostre resultados indesejáveis. Ele não tem culpa e só apresenta os dados como realmente são.

Esses sete itens podem parecer básicos e irrelevantes para muitos profissionais que se auto intitulam "analistas de mídias sociais", mas na hora do aperto, quando os números são apresentados,  muitos vão afrouxar os seus parâmetros éticos e contar várias histórias para os clientes. Resta saber quem será você.

Um comentário:

Sibele disse...

Sete é um número cabalístico!!! :D

compartilhar

Posts relacionados