terça-feira, 23 de dezembro de 2008

O futuro dos jornais

A internet no ano foi um dos veículos de "comunicação de massa", mais conquistou anunciantes e público. O meio só não conseguiu, ainda, desbancar a televisão que continua sendo a principal fonte de notícias. Segundo informou uma pesquisa Pew Research Center for the People & the Press, que ouviu 1489 pessoas.

De acordo com o levantamento 59% de pessoas com idade inferior a 30 anos afirmaram que sua principal fonte de informação é a internet, contra 68% de pessoas que tinham a mesma percepção em setembro de 2007. Comparando os veículos os números mostram que 70% se mantém informados pela televisão, 40% buscam as notícias diretamente na grande rede e somente 35% ainda utilizam os jornais impressos como fonte de informação.

O crescimento do meio digital mostrado na pesquisa, já não causa tamanho espanto ou impacto. Durante os últimos três anos o meio impresso vem perdendo mensalmente, uma grande parte dos seus anunciantes e leitores.

Um dos principais sintomas desta perda é a tão massificada instantaneidade da notícia, que tem deixado para os jornais impressos apenas o papel de repetidores. Desta forma, enquanto os periódicos não encontram uma fórmula para atrair novamente os seus leitores, desde que não seja continuar oferecendo cupons, a tendência que se mostra no horizonte é irreversível.

Entretanto, ainda acredito que não seja prudente falar em uma morte dos jornais impresso. Visualizo uma grande reformulação onde o perfil noticioso vai dar lugar para um jornalismo mais investigativo.

A pesquisa que mostra o declínio dos jornais pode ser conferida no portal do Pew Research Center for the People & the Press, no artigo Internet Overtakes Newspapers As News Source.

O futuro dos jornais

A internet no ano foi um dos veículos de "comunicação de massa", mais conquistou anunciantes e público. O meio só não conseguiu, ainda, desbancar a televisão que continua sendo a principal fonte de notícias. Segundo informou uma pesquisa Pew Research Center for the People & the Press, que ouviu 1489 pessoas.

De acordo com o levantamento 59% de pessoas com idade inferior a 30 anos afirmaram que sua principal fonte de informação é a internet, contra 68% de pessoas que tinham a mesma percepção em setembro de 2007. Comparando os veículos os números mostram que 70% se mantém informados pela televisão, 40% buscam as notícias diretamente na grande rede e somente 35% ainda utilizam os jornais impressos como fonte de informação.

O crescimento do meio digital mostrado na pesquisa, já não causa tamanho espanto ou impacto. Durante os últimos três anos o meio impresso vem perdendo mensalmente, uma grande parte dos seus anunciantes e leitores.

Um dos principais sintomas desta perda é a tão massificada instantaneidade da notícia, que tem deixado para os jornais impressos apenas o papel de repetidores. Desta forma, enquanto os periódicos não encontram uma fórmula para atrair novamente os seus leitores, desde que não seja continuar oferecendo cupons, a tendência que se mostra no horizonte é irreversível.

Entretanto, ainda acredito que não seja prudente falar em uma morte dos jornais impresso. Visualizo uma grande reformulação onde o perfil noticioso vai dar lugar para um jornalismo mais investigativo.

A pesquisa que mostra o declínio dos jornais pode ser conferida no portal do Pew Research Center for the People & the Press, no artigo Internet Overtakes Newspapers As News Source.

3 comentários:

  1. Caríssimo(a),

    acabo de ler o texto e discordo em um ponto. Para mim a sentença de morte dos jornais em meio impresso está definida. Só não temos como saber quando será.

    Vez ou outra escrevo sobre isto em meu blog. Veja estes 2 textos por exemplo:

    http://compensar.blogspot.com/2007/11/e-os-jornais-hein.html
    http://compensar.blogspot.com/2008/03/compensar-reflexes-sobre-comunicao_15.html

    Abraços e sucesso!

    ResponderExcluir
  2. Mas, será que não é exatamente o que eu falei no post: os jornais vão precisar aprender a se reinventar para se adaptar aos novos meios.

    Não podemos esquecer da televisão que iria acabar com o rádio, o gravador que destruiria a indústria fonográfica, entre tantos outros.

    Vejo, que atualmente os jornais andam perdidos, procurando exatamente uma nova fórmula e formato e quando encontrarem vão conseguir conviver com as mídias digitais.

    ResponderExcluir
  3. Caríssimo,

    acho que estamos olhando para o mesmo "problema" com a mesma "solução", apenas de 2 ângulos diferentes.

    Certamente, o jornal vai se reinventar, como aliás, muito timidamente, já está se reinventando.

    Mas da mesma forma como existem novos produtos que não inviabilizaram antigos (TV/cinema) existe o contrário também (MP3/CD/Fita k7).

    O que penso é que, seja qual for o futuro do jornal, ele não será em papel e sim em um suporte digital (mesmo que seja papel digital).

    É isso?

    Abraços, saúde e sucesso!

    ResponderExcluir

compartilhar

Posts relacionados