sábado, 4 de outubro de 2008

A polêmica pede passagem

Um filme despretensioso, mas que acaba falando alguma coisa e de algum modo todos que assistem se sentem compelidos a esboçar alguma opinião. "Shortbus", que teve sua primeira passagem pelo país, durante a mostra de São Paulo, em 2006, chega novamente as telas brasileiras prometendo muitas polêmicas.

O filme do diretor John Cameron Mitchell, trata com frieza e muita sinceridade a realidade de grande metrópoles na atualidade e a solidão que aflige os seus habitantes regadas cenas de sexo explicito, orgias e diálogos quentes.

Mas os debates não acontecem pelo fato de mostrar homens e mulheres simulando uma realidade. A discussão vai além, ao retratar o ex-prefeito de Nova Iorque relembrando o surgimento da aids, orgasmo feminino e três homens transando enquanto cantam o hino americano.

Qualquer um destes fatos já seria um motivo para a fita entrar na lista negra de qualquer sala de exibição. Entretanto, o elenco todo garimpado na internet, consegue mostrar um pouco da realidade que preferimos deixar guardada entre quatro paredes.O que acaba por redimir Shortbus sobre a sua qualidade.

O filme mostra a vida de sete pessoas: uma terapeuta sexual que nunca teve um orgasmo (Sook-Yin Lee) e seu marido (Raphael Barker), uma dominatrix solitária (Lindsay Beamish), um voyeur (Peter Stickles), um casal gay (Paul Dawson e PJ DeBoy, namorados na vida real) que passam por problemas sexuais, e Ceth (Jay Brannan), jovem que procura o grande amor e chega como uma muleta deste casal.

"Shortbus" finaliza se mostrando uma sátira, igual ao "Denise está chamando", lançado em meadas da década de 90 e que satirizava a sociedade interconectada. O filme promete ser durante muitos anos uma obra de vanguarda idolatrada pelos cults e teóricos, que tem uma grande ferramenta para entender a sociedade contemporânea.



A polêmica pede passagem

Um filme despretensioso, mas que acaba falando alguma coisa e de algum modo todos que assistem se sentem compelidos a esboçar alguma opinião. "Shortbus", que teve sua primeira passagem pelo país, durante a mostra de São Paulo, em 2006, chega novamente as telas brasileiras prometendo muitas polêmicas.

O filme do diretor John Cameron Mitchell, trata com frieza e muita sinceridade a realidade de grande metrópoles na atualidade e a solidão que aflige os seus habitantes regadas cenas de sexo explicito, orgias e diálogos quentes.

Mas os debates não acontecem pelo fato de mostrar homens e mulheres simulando uma realidade. A discussão vai além, ao retratar o ex-prefeito de Nova Iorque relembrando o surgimento da aids, orgasmo feminino e três homens transando enquanto cantam o hino americano.

Qualquer um destes fatos já seria um motivo para a fita entrar na lista negra de qualquer sala de exibição. Entretanto, o elenco todo garimpado na internet, consegue mostrar um pouco da realidade que preferimos deixar guardada entre quatro paredes.O que acaba por redimir Shortbus sobre a sua qualidade.

O filme mostra a vida de sete pessoas: uma terapeuta sexual que nunca teve um orgasmo (Sook-Yin Lee) e seu marido (Raphael Barker), uma dominatrix solitária (Lindsay Beamish), um voyeur (Peter Stickles), um casal gay (Paul Dawson e PJ DeBoy, namorados na vida real) que passam por problemas sexuais, e Ceth (Jay Brannan), jovem que procura o grande amor e chega como uma muleta deste casal.

"Shortbus" finaliza se mostrando uma sátira, igual ao "Denise está chamando", lançado em meadas da década de 90 e que satirizava a sociedade interconectada. O filme promete ser durante muitos anos uma obra de vanguarda idolatrada pelos cults e teóricos, que tem uma grande ferramenta para entender a sociedade contemporânea.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

compartilhar

Posts relacionados